18th September 2019 Noodles 0Comment

O que são realmente problemas? O que é que são vidas difíceis e vidas fáceis? Qual é a medida que se utiliza para se medir a dimensão ou gravidade de um problema, de um sentimento? Quem neste universo tem o direito de dizer que os teus problemas são uma ninharia quando comparados com os meus? Quem tem o direito de te dizer que a tua vida é fácil em comparação com a minha?

Na verdade eu acho que os problemas de cada um são apenas importantes para si próprio. O grau de dificuldade de cada vida é medido pela pessoa responsável por essa vida e ninguém, ninguém mesmo, tem o direito de minimizar essa dificuldade, os problemas, as coisas boas, os sentimentos, bons e maus.

Existe sim a compaixão que podemos sentir uns pelos outros, a empatia, o apoio que podemos dar a uma pessoa. Quando temos uma pessoa amiga que está a passar por um mau bocado, que está com demasiadas coisas para resolver é bom ajudarmos, darmos o nosso apoio, mas convém que isso não seja às nossas custas. Não é nada bom desligarmo-nos dos nossos próprios problemas para dar apoio aos problemas de outros. Os nossos problemas podem parecer muito insignificantes para a outra pessoa, no entanto isso não lhe dá o direito de minimizar o que sentimos.

Quando alguém acha que “a minha vida é muito mais difícil que a tua e tu estás apenas a fazer birra” sem sequer tentar perceber o que se passa, há algo de errado em toda a situação. Vidas e sentimentos não se comparam, isto não é nem nunca foi uma competição. Não estamos aqui para ver quem sofre mais e quem é mais feliz.

Toda a minha vida é feita de altos e baixos, de momentos bons e momentos maus. E no meio disto há aqueles momentos em que algo quebrou. Como quando partimos um vaso que gostamos muito que nunca mais tem reparação. Podemos colar os pedaços partidos com muito jeitinho e quem olhar não se aperceber que o vaso já esteve partido, mas nós… nós sabemos exactamente onde estão os pedaços colados. Quando as coisas quebram assim, há algo que morre dentro de mim, sentimentos que se transformam, que começam lentamente a dissolver-se até ao ponto em que simplesmente deixam de existir.

Estou a viver uma fase de transformação, de dissolução e estou a ver muito bem o que sinto para depois decidir o que faço.