24th June 2019 Noodles 0Comment

Estou a chegar a um ponto na minha vida em que pouco me apetece e ao mesmo tempo tudo me apetece. É o que resolvi chamar de fase de apetecimento confuso. Realmente, se analisarmos bem a coisa, é tudo muito confuso. Ora aptece-me muito pouca coisa e no entanto aptece-me quase tudo. Apetece-me dormir o dia todo e no entanto não me apetece ficar deitado o dia todo. Claro que isto foi um exemplo muito simplista que apenas reflecte superficialmente toda a confusão que aqui vai.

Gosto de pensar, é algo que me sabe muito bem. Por vezes faço-o em demasia e sei que não o devia fazer no entanto acho que é mais forte que eu… pelo menos, por enquanto. Grande parte do meu trabalho envolve usar a mente, farto-me de pensar… a sério, chega ao ponto de ficar fisicamente cansado.

Há tambem muitas circunstâncias em que não preciso, ou melhor, não devia mesmo pensar e no entanto penso demasiado. O tico e o teco entram numa conversa animada entre eles e por vezes nem sequer consigo dormir. É raro, isto de não dormir, mas acontece.

E agora de tanto pensar já não sei mais o que pensar. Fartei-me de pensar em coisitas para escrever, nomeadamente escrever sobre pensar, só que entretanto tive que ir fazer outra coisa para agora retomar a escrita e portanto os meus dois neurónios já se distraíram completamente do assunto de pensar e foram pensar noutra coisa.

Agora estou a pensar que ainda tenho muito que fazer antes de ir para o yoga mais logo e também penso que estou cheio de sono e não me apetece ir ao yoga, ao mesmo tempo sei que apenas me custa ir ao yoga e que depois de começar a aula adoro a coisa. Estou também a pensar no que vou fazer para o jantar depois do yoga, provavelmente aqueço uma sopa e como uns morangos. Lembrei-me agora também que tenho a roupa extendida para arruma, a esta hora já deve estar seca. Há também a loiça do pequeno almoço para lavar. Se calhar só a lavo depois do jantar, assim so faço uma lavagem de loiça.

E com isto tudo vou mantendo a minha mente ocupada, sem me preocupar com as minhas neuras, sem tempo para me sentir “deprimido”, ou melhor, triste. Claro está que isto é agora, deixa chegar a casa que o tico e o teco me contam uma história… de embalar