16th August 2005 Noodles

A minha rotina matinal acabou de ser alterada. Acordei com um casaco de peles enrolado no meu braço, mal me levantei fui lambido e mordido e arranhado; fartei-me de rir e brincar com o meu bébé. Não, não me fartei, uma bolinha de pêlo daquelas não dá para fartar… Enquanto eu cirandava pela casa, preparando as minhas coisas, roupa, pequeno almoço [meu e dele], aquele peluche corria atrás de mim sem parar. Soltava um miado eu pegava-lhe ao colo e tinha ron-ron instantâneo. Sentei-me uns minutos no sofá e ele entreve-se a morder-me os dedos; isto enquanto não lhe dava…

13th August 2005 Noodles

Só escrevo textos da treta. Umas vezes longos, outras vezes curtos. Digo que são textos da treta porque estou a olhar para eles do ponto de vista do rebanho [é verdade, de vez em quanto também temos que ver as coisas por outros ângulos]. São textos que não estão na moda, não são deprimentes, não contemplam o uso de calão asneirento [mais conhecido por “caralhadas”], não são textos pseudo-intelectuais, não são agressivos, não ataco ninguém, não são polémicos. Agora, vendo as coisas pelo meu ponto de vista o caso muda de figura. Os meus textos são inteligentes, por vezes são…

13th August 2005 Noodles

Estava eu a pensar que… Mas afinal de contas parece que… Talvez as coisas que eu pensava que… Parecendo que não mas até que… Pois é, é tanto assim que…

11th August 2005 Noodles

Há pessoas que levam a internet demasiado a sério. Há até quem viva na internet e para a internet. Refiro-me às pessoas que passam uma grande parte do dia nos chat rooms ou em fóruns. É verdade que são meios de comunicação, onde se podem trocar ideias, discutir os mais variados assuntos e ter conversas privadas com outras pessoas sem haver a necessidade da presença física. Tudo isto é muito bonito, mas há também o lado mau da coisa, como por exemplo a falta de presença física, a falta de identidade real.Eu não percebo como é que há pessoas que…

10th August 2005 Noodles

Tenho menos de dez minutos para escrever isto, portanto vou tentar ser breve. (o tanas, isto vai mesmo dar uma dissertação “daquelas”). Já fiz esta pergunta há algum tempo atrás, mas volto a fazê-la. Porquê? Simplesmente porque me apetece; deu-me na telha escrever isto após um dia de trabalho muito intenso.Porque raio é que tens um blog? Vejo que cada vez há mais blogs Portugueses por aí, uma grande parte deles, são criados, escrevem meia-dúzia de pataquadas e nunca mais os actualizam. Já sei, é porque ter um blog está na moda e como boas ovelhinhas que somos, queremos pertencer…

10th August 2005 Noodles

Quero e não quero, sinto e não sinto, vejo e não vejo, faço e não faço, falo e não falo, escrevo e não escrevo, leio e não leio, sim e não. Quer sejam afirmações ou questões, são características de uma pessoa indecisa. Não o sou, embora por vezes tenha algumas dúvidas que rapidamente são esclarecidas ou mude de opinão várias vezes em virtude de novos conhecimentos que vou adquirindo. É difícil distinguir entre uma pessoa indecisa e uma pessoa que muda de opinião, a linha que os separa é muito ténue. Haja consciência e clareza de raciocínio!

9th August 2005 Noodles

Estou sem palavras para descrever tudo aquilo que sinto. Apesar de ter uma extrema facilidade em exprimir sentimentos através da escrita e da fala, a linguagem, seja ela escrita, falada ou gestual é demasiado limitativa para descrever sentimentos desta magnitude. Talvez a utilização destas três formas de linguagem em conjunto consiga descrever de uma forma muito aproximada todo o calmo turbilhão de emoções que vivem dentro de mim. Sou uma espécie de mutante, alguém que está a crescer, a evoluír. Estou a aprender a libertar tensões, emoções, sentimentos anteriormente contidos e controlados. Talvez devido a esta mudança não consiga encontrar…