Bom dia

Não gosto de rotinas e no entanto gosto das minhas rotinas. Se calhar não estou a fazer muito sentido, mas é exactamente isto. Gosto de mudança, gosto de variar e no entanto há rotinas que me sabem bem, como por exemplo todo o processo de acordar. Houve várias coisas novas neste fim de semana, a começar pela introdução de uma alteração à minha rotina matinal de acordar e levantar.

Começo por ouvir e desligar o despertador, três vezes com pelo menos meia hora de sitância entre cada uma. Normalmente só à terceira é que continuo a acordar e levantar-me. Abros os olhos, espreguiço-me e levanto-me. Dou bom dia ao gato, mimos e comida. Abro a água para o banho e preparo a roupa para vestir. Entro na banheira, tomo o meu banho e desligo a água. Seco-me, visto-me, penteio-me, etc. Certifico-me que tenho tudo para levar e dou mais uns mimos ao gato. Saio de casa e é este o meu processo matinal.

Por vezes a esta rotina acrescento um passo antes do banho: estender a roupa que ficou a lavar durante a noite.

Este fim de semana, alterei esta rotina:

Ouço o despertador uma vez, abro os olhos e desliguo-o. Cinco minutos depois ligo-te e ouço a tua voz ainda ensonada, meiga, espreguiçada como um gato. Ficamos a conversar enquanto tu te levantas, te arranjas, tomas o pequeno almoço. Gostamos da companhia um do outro. A tua voz vai ficando mais acordada, o seu tom fica mais quente.

Acordar-te de manhã, falar contigo e escutar-te, ouvir a tua voz, é maravilhoso. É uma sensação tão boa. Sinto-me seguro, confortável, aceite, capaz de enfrentar tudo, destemido. Acho que esta nossa sincronicidade é algo que só se encontra uma vez na vida. Somos muito parecidos em quase tudo, mas temos cada um pequenas diferenças que fazem com que não sejamos completamente iguais e isso não tem preço.

Aceitação

Pequenos toques e gestos que nos fazem sentir a voar, as partilhas que se fazem sem pedir nada em troca, as conversas que não terminam, os atropelos adoráveis de frases, os risos de piadas que poucos entendem, os olhares directos e de admiração, os aromas que se cheiram com o olfacto e os que se sentem com o coração. Um momento em que no meio de um abraço sentes uma cabeça encostar-se ao teu ombro e o teu coração dispara.

É todo um conjunto de coisas aparentemente pequenas mas que têm tanta importância. Coisas que muitos poderão não dar valor e que para mim são do melhor que pode haver no universo.

Não há pressões, não há nada que tenha que ser, tudo é possível, o destino é aquilo que nós encontramos no fim da viagem ou, se calhar, no meio dela.

A viagem, essa sim é para saborear, aproveitar ao máximo, fazer as coisas com consciência, com tranquilidade e sem espectativas e sem qualquer tipo de mágoa. Um simples aceitar das coisas como elas nos são oferecidas sem exigências ou cobranças de qualquer tipo.

Sometimes I feel like…

Bitter apple take a bite
(It’s kind of wonderful)
Fallen star you’re mine tonight
(Strange but beautiful)
Bitter apple take my life
(It’s kind of wonderful)
If I close my eyes you’re mine tonight
Tonight

This and so many other songs come to my mind. Lately I’ve been drawn back to Dave Gahan and Depeche Mode. They have such wonderful songs, that touch deep inside, maybe reopen ancient wounds or, who knows, soothe old pains that have always been here.

I don’t exactly know what I’m doing, I just know that I’m moving. I can feel the ground sliding past below my feet. I don’t know what the destination is and even though I say to myself I don’t care about that, the truth is, I do care. I’m just not afraid.

I might be heading towards a brick wall head first and I don’t mind. I can take the wall down with me.

I feel like crying. Not out of sadness, neither out of joy. Just… Simply crying out of pure raw emotions. A whole lot of them.

I am crying. I can feel the big lump in my throat, I can feel the small drops sliding down my face from my eyes, I can taste their salty taste in my lips. I think I haven’t cried like this in a long time. Maybe too much time.

I’m feeling a whole mixture of things right now.

Anger, sadness, joy, hapyness, excitement, anxiousness, and yet… No fear.

Life is…

A vida é feita de pequenos grandes momentos. Coisas simples que vão acontecendo e que parecem durar segundos apenas.

A vida também é feita de acções, atitudes, reacções, sentimentos e emoções.

Todo um conjunto de coisas boas, más, assim-assim… Se deixarmos isto passar-nos ao lado, então não estamos a viver. Ou se calhar até estamos. Creio que tudo depende da perspectiva de cada um, do seu ponto de vista, dos seus desejos e objectivos a atingir.

Sweet kiss

Aquele momento em que os teus olhos se fixam nos dela e olham directa e profundamente sem qualquer receio e sem qualquer intrusão também. Quando observas os olhos dela, castanhos com toques de verde, bonitos de fazer inveja a qualquer Cleópatra. A presença dela perto de ti faz-te sentir seguro, vivo. Inspiras profundamente, suspiras e dás-lhe um beijo na face. Dás contigo a desejar que aquele momento dure para sempre, poder ficar ali apenas a apreciar a sua companhia, sentir a sua ternura e por sua vez ofereces-lhe o teu calor e protecção. Queres conversar mais, dizer-lhe tudo o que se passa e no entanto vais com calma. Aos poucos vais dizendo o que sentes, vais-te expondo, vulnerável… vais falando e escutas e absorves tudo com toda a atenção. Devagar, sem pressa… as coisas seguem o seu rumo natural.

Ah… o doce sabor de um simples beijo. Quando os teus lábios tocam a face dela e sentes a sua pele macia. O seu aroma fresco e suave entra no teu nariz enchendo-te os sentidos e sem dares conta és transportado para um outro universo. Sentes os cabelos na nuca a levantar, arrepios percorrem todo o teu corpo, há uma sensação que não dá para descrever em palavras. Naquele preciso momento tudo está no sítio certo, como deveria ser. Tudo parece correcto, tudo sabe bem. Life is good.

Curioso, o efeito que um simples beijo na face pode ter. Se calhar estou a exagerar… talvez. No entanto de outra forma qualquer não teria piada. Mas não é qualquer beijo que tem este efeito, muito menos qualquer pessoa que te deixa assim. Enquanto escrevo isto ouço a voz dela, o riso contagioso, os olhos brilhantes.

Creio que estou a perder o medo … os medos. Não, não creio nada… Simplesmente não tenho qualquer medo, sinto-me destemido, espontâneo, sigo o meu caminho sem olhar para trás. É bom estar a apreciar esta viagem sem ter qualquer noção do destino e, melhor ainda sem ter medo de onde vou parar. Embora espere que o meu destino seja um, nada nesta vida é garantido e como tal limito-me a fazer aquilo que posso para lá chegar.

Música, pensamentos e outras coisas

As coisas juntam-se, começam a ganhar forma, ou talvez não. Talvez seja apenas a minha imaginação a trabalhar ferverosamente. Não sei… não me interessa.. A minha imaginação anda fértil ultimamente. Talvez não para tudo o que quero, talvez não esteja assim tão fértil e eu apenas esteja a imaginar que a minha imaginação está fértil.

Tudo é possível. Tudo pode acontecer. Vou percorrendo um caminho. Pode ser o meu ou pode não ser. Como posso saber qual o caminho? Há tantos caminhos que podem ser percorridos.. Uns mais fáceis, outros mais difíceis e talvez alguns ainda impossíveis de percorrer, com obstáculos intransponíveis…

Naah.. tudo é possível. Todas as barreiras podem ser ultrapassadas. Requer esforço, ou nem por isso.

Às vezes fico a pensar que quem me lê me acha louco, doido varrido. E no entanto confesso que isso não me preocupa, é simplesmente um pensamento que tenho. E confesso também que tenho algumas características de doido varrido. Acho piada a coisas que muitas pessoas não acham, e muitas vezes ainda acham que eu sou desmiolado por achar graça a essas coisas. De facto o que os outros pensam de mim é algo que não me afecta muito e no entanto é algo em que eu penso. Creio que é mais uma de curiosidade. Obviamente que me sinto bem quando pensam bem de mim e não me sinto tão bem quando pensam mal de mim, mas esses sentimentos não ditam como vivo a minha vida…

Ultimamente tenho voltado a ouvir músicas que já não ouvia há algum tempo, são velhas conhecidas minhas, com melodias que embalam, letras profundas que tocam em vários pontos cá dentro. Curiosamente algumas delas começam a ter significados completamente diferentes do que tinham antes. Algumas deixam-me a chorar, outras fazem-me sorrir, ou até chorar e rir ao mesmo tempo. A música sempre foi algo muito poderoso para mim, sempre teve uma importância enorme na minha vida, no meu crescimento, na minha personalidade. Sempre dei importância às letras, à melodia, ao arranjo, aos instrumentos escolhidos. E sempre escutei música com todos os sentidos e emoções.

Umas alturas sinto-me mais tocado pela música, outras menos. Acho que depende um pouco do meu estado de espírito.

Feelings…

Just a quick thing, I’m tired and can’t write that much.

My mind is slowly settling down, maybe because of the physical effort… maybe because I’m tired. Anyway, it’s a good feeling this, being able to overthink everythink and not reacting to such a huge ammount of overthinking. I create all sorts of “movies” inside my head, speculate on all possible outcomes of my actions and while previously it would leave me devastated, down, depressed, whatever you want to call it, and currently I’m just observing, noting. All these “movies” that I create, all this speculation just passes through and changes very little in me, in what I feel or what I want. I mean… yes, I still get frightened of the future, of whichever course the river may take, but not paralised and most of all, not negative. I just observe what’s going on in my mind and let it go.

It’s a feeling of balance that I haven’t had in quite a long time. I can feel my intuition and listen to it without doubts. I am going after what I want, what I need and I am doing all that I can to reach my destination. Now, all I need to do is enjoy the ride and look for what the universe is telling me.

I feel good. Sometimes lonely and yet with a deep presence keeping me company, occasionaly sad, others happy and overall… good.

Mentalismos

Isto de escrever posts no telemóvel não dá muito jeito. Este teclado “touch” é pouco confortável.

Enfim… É o que há.

Tenho estado com os meus filmes habituais, as minhas alegrias e as minhas neuras. Esta coisa confusa de emoções misturadas que sou ..

Há de facto um monte de coisas a navegar dentro de mim. Energia tão forte que faz com que durma menos. Acordo a meio da noite com a cabeça a mil à hora… E não é nada de mau, quanto muito pode ser algo confuso, mas apenas isso…

Fico aqui a pensar que nem um doido e é isso até adormecer outra vez… E o mais impressionante é que não fico cansado durante o dia… Custa-me um pouco a levantar de manhã mas depois durante o dia ando bem..

Zuuummm…

Não há muitas palavras para escrever, mas há muitos sentimentos para sentir e pensamentos para pensar. Tenho a cabeça à roda, a mil à hora. Tenho saído da minha concha, ou como se diz ando a “soltar a franga”…

É que nem sequer ando a sair da zona de conforto, eu já nem sei bem qual é a minha zona de conforto

Espero que amanhã consiga escrever algo mais concreto. Estou com vontade de escrever, com a criatividade aos pulos… Enfim, logo se verá.

Zonas de conforto?

Estou orgulhoso de mim próprio. Hoje (ontem) saí completamente de todas as minhas zonas de conforto. Fui tímido, como faz parte da minha natureza, mas não fui fechado, reservado.

Sinto-me bem, sinto-me feliz…

Foi um dia muito bom, uma tarde maravilhosa.