27th May 2019 Noodles 0Comment

E assim, sem mais nem menos, tive que sair da sala e enfiar-me num sítio qualquer a chorar. Não sinto tristeza e no entanto também não sinto alegria… Estou sossegado no meu canto, com vontade de chorar. Passam-me milhares de ideias pela cabeça. Coisas que quero e que não tenho, coisas que não quero e que não me largam, coisas intensas e coisas assim-assim.

Tenho muitas vontades, de muita coisa, no entanto não tenho vontade de viver. Já é algo que me habita a mente há bastante tempo, não é um desejo suicida, não é uma vontade de morrer, é simplesmente uma falta de vontade de viver… pelo menos nestes moldes.

Falo com a minha Psicóloga e ela diz-me algo que, racionalmente, me faz todo o sentido: “Só tu podes dar a ti próprio aquilo que precisas”

É verdade, só eu posso dar a mim próprio o mimo que eu preciso, só eu posso dar-me a atenção que quero, só eu posso dar-me o carinho que tanta falta me faz, só eu posso fazer-me a companhia que tanto gosto. E de facto eu faço tudo isso, eu adoro passar tempo comigo próprio, eu tenho grandes conversas comigo, eu mimo-me ao máximo. No entanto há coisas que eu não consigo dar a mim próprio… (prefiro nao enumerá-las). Estou com sentimentos mistos, coisas que quero resolver e não sei bem como fazê-lo.

Dizia eu que não sinto tristeza e de facto não sinto… muita… sinto-me um pouco “alone in this”. Sei que ninguém poderá preencher esta lacuna e que apenas depende de mim, no entanto às vezes é diofícil conseguir sentir tudo isto quando, racionalmente, eu sei que apenas eu posso e devo estar lá para mim, para tudo o que for preciso.

Estou com vontade de chorar e acho uma merda ter que ir para longe das pessoas para poder fazê-lo em paz, sem ter que dar explicações sobre o natural que é o simples acto de chorar. Sou uma pessoa de contacto humano. Achava eu que não era, mas sou. Faz-me muita falta o toque, o estar com pessoas que estão na mesma vibração e no entanto sinto cada vez mais dificuldade em encontrar essas pessoas. Sei que sou responsável por isso, acho que sou um “Dark one, eternal outsider, blind one, gentle kind one, seeing the world as a loaded gun”.

Vou parar de escrever por agora, sinto necessidade de estar no meu canto, sossegado e tranquilo.