Geek Girls…

After seeing this and reading this i decided to go back to a subject wich i wrote about some time ago; Being a Geek. Basically i wrote about the “geek is the new chique” thing and how it confuses me.
Having come across the subject of “feminist geeks” i do have to wonder how the need to belong is so rampant on human beings. Everyone needs to belong somewhere. The hipsters need to feel they belong amongst the hipster community, the geeks with the geeks, the intellectuals with the intellectuals, and so on, and that’s all perfectly fine by me; for instance, I need to feel i belong amongst the people i love and that love me back.
The plot just “thickens” when i start seeing people trying to belong somewhere they clearly don’t like just for the sake of it being cool. I do know it’s none of my busyness what everyone else does, but come on, seriously? Grow a brain will ya?
But i’m straying from the subject.
Geek feminists, what are they? According to what I could understand, they are just feminists who happen to be geeks also (men and women). So, basically they defend equal rights for women in a technological world, predominantly male (or so many think). Even though I agree that all men and women should have the same rights and opportunites (and that goes along with duties), I don’t like to think I’m a feminist; I prefer to think myself as a “lifeist”, because i think that all life forms deserve the same respect. Obvsiously there are differences between the male and female counter-parts of the human animal, and not only physical and genetic ones. Women have different thought processes; not better nor worse, just different. Most women deal with emotions in a very different way than most men; again, not worse or better.
So, the main complaint of both Nixie Pixel and Nice Girl is that they were “mistreated” (to say the least) in an Open Source Convention. They are absolutely right to complain, if I was in their shoes, I would probably raise hell. What I honestly don’t get is the whole “geek feminist” thing. The “you’re sexualizing the conference through your attire”. WTF? What, a geek girl can’t be sensual? Can’t a women wear a sexy dress withouth being called a “slut”? What if a man geek showed up like a “sexy as hell piece of hunk”? Would he be trashed also?
I am a software engineer going on 40 who loves everything computer; I love gaming, I play online with my daughter almost every day, I love programming ever since I touched my first ZX81. People who don’t know me may call me a geek, but I don’t consider myself to be a geek and never have; the truth is, I never really cared what label people put on me.
Throughout my life I’ve seen the “geeks” raise to the status of “coolness”. The geeks I remember from my childhood where usually withdrawned persons, almost anti-social, highly inteligent but usually with low emotional intelligence (no comments on the attire as it is everyone’s personal choice). A few years ago I started seeing “geeks” opening up, having a life away the computer screens, conventions started being big social events instead of “just for the nerds”. And I honestly liked that, it’s a good change, evolution whatever you want to call it.
I mentioned that I play a lot of computer games with my daughter. Yes, it’s true, we play co-op war games, tactical games, mind games you name it. One of the things I like the most is when we’re playing a multiplayer game like Sniper Elite v2, we’re basically kicking ass and everybody start cussing for being killed to many times. That’s when I come in and say “be more respectful to a lady”; the language changes almost instantly. Everybody stays in shock for a bit. Why is it so difficult to believe that girls also play video games? And why do some gamers/geeks/whatever stamp down on girl gamers that are also pretty (basically women).

I think I’ve digressed too much. Nixie Pixel and Nice Girl: It’s good to see people like you on this boring geek world.

Os animais

http://activa.sapo.pt/tv/tv_cronicas/2012/04/12/cronica-de-rodrigo-guedes-de-carvalho-contra-as-bestas-pelos-animais

Excelente crónica, no entanto, apesar de concordar com o Sr. Rodrigo, a minha opinião vai um pouco mais além.
“(…)Os animais não podem ser equiparados a objectos porque… porque… não são objectos.
(…)”

Em quase todos os discursos e opiniões vejo o ser humano a tentar equiparar os animais aos humanos, seja para a defesa dos animais ou para os atacar; o que o ser humano se esquece em todas as ocasiões, é que nós (seres humanos) somos animais, tal e qual como os cães, os gatos e todos os seres animais desde planeta. Sim, sejamos nós bons ou maus para os animais, temos a grave e cruel tendência para assumir que “Animal: Ser vivo irracional, por oposição ao homem.” (é uma das definições do diccionário), no entanto se olharmos bem para o mesmo diccionário, a primeira definição é para mim a mais correcta: “Ser vivo multicelular, com capacidade de locomoção e de resposta a estímulos, que se nutre de outros seres vivos.” (Humanos incluidos nesta definição).

Posto isto, eu, como animal que sou, trato todos os outros animais deste planeta com o mesmo respeito que tenho por mim próprio. Respeito as suas diferenças, aceito-as e lido com elas. Recuso-me a invadir o espaço de outro animal da mesma forma que recuso que outro animal invada o meu espaço. Acredito que o “bem” e o “mal” não existem fora do ser humano. O ser humano é o único ser deste planeta que mata sem ser para comer ou protejer o seu território e a sua família. Quando um animal dito “selvagem” ataca um animal humano não o faz por “dá cá aquela palha”, fá-lo sim porque se sente ameaçado, porque está a protejer as suas crias, porque tem fome e necessita de comer, porque o animal humano está a invadir o seu espaço pessoal.

É desta forma que escolhi viver a minha vida deste muito cedo e tavlez isto tenha feito com que eu nunca tivesse sido atacado por um cão de rua (não foi por falta de medo) já cruzei caminhos com cães que metiam medo, no entanto eu reconheci o espaço deles e deixei-os em paz, da mesma maneira que eles me deixaram em paz, cada um no seu próprio território, sem invaões ou intrusões.

Geek, Nerd, Abnormal…

What is this?! Suddenly almost everyone i know that wants to pass as being a “creative” person openly admits that he or she is a “geek”, or that he or she isn’t a normal person. So, for all you “geeks” or “abnormal” persons out there i present you here with my thoughts on the matter.

According to the Cambridge Online Dictionary:
geek
noun
a person, especially a man, who is boring and not fashionable

nerd
noun
a person, especially a man, who is not attractive and awkward or socially embarrassing

Well, so according to this, everyone that calls himself or herself a geek is a person that is boring and not fashionable, right? You got that right, a true geek does not follow any type of fashion trend, however, in the current days, being a geek is in itself a fashion trend. Can someone see the contradictions involved?

People nowadays keep striving to be abnormal, in an attempt to be different. Well, the bad news is that, since everyone is doing exactly the same thing (boasting that one’s not normal), nobody’s being different.

Let’s face it, you’re not going to be special just by posting pictures or comic strips advertising how “abnormal” you are. You’re special just because you’re alive, because you do something that YOU want instead of doing something that others want you to do.

Fondling, spindling and mutilating

The original:
“I haven’t done this in quite some time now. I’m guessing i’m a bit rusty, but let’s just see how it goes.
The point here is to write some text and then have it all scrambled up to see what the end result is.
Let’s see!”

The Folded, Spindled and Mutilated version:
“itself retreat not done next over daily any objection privately. everything is guessing whoever is this crisis rusty, except swap is partly encounter publicly no-one Goes.
The abortion nicely is to entertain both slope cos partly indicate who either gazed overnight to clean such more case warehouse Is.
Let tumble!”

My final version:
“In itself, retreat not done next over a daily basis, doesn’t have any objection privately. Everything is guessing at whoever is in this crisis with rusty nails, Except that the swap is partly an encounter of something where publicly no-one goes.
The abortion has nothing to do with it. More nicely is to entertain both guys down the slope and that would partly indicate who either gazed overnight to clean this mess or such more case where the warehouse is.
Let it tumble!”

A estória da formiguinha e da abelhinha

Numa bela tarde ensolarada estava uma formiguinha a passear pelo jardim quando de repente tropeça numa pedra e cai. A formiguinha tenta levantar-se, mas não consegue pois ficou com a patita aleijada. Durante um bocado fica ali deitada com dores, até que chega uma abelha que pousa numa flôr mesmo ao lado.
– Olá formiguinha, o que aconteceu?
– Olá abelhinha. Vê lá tu o que tinha de me acontecer. Estava eu tão apressadinha à procura de comida para levar para o formigueiro quando de repente tropeço nesta pedrinha e pimba; estatelei-me ao comprido e aleijei-me na pata.
– Epá, isso é mau.
– Podes crer. Agora como é que eu procuro comida?
– Hummm.. e que tal se eu te ajudasse a procurar comida? – disse a abelhina pensativa.
– Mas como é que tu me podes ajudar? Vocês abelhas só gostam de pólen, enquanto que nós formigas gostamos de folhas verdes.
– Eu posso pegar em ti e levar-te às costas enquanto tu olhas à volta para ver se encontras a tua comida.
– Está bem..  e então como é que eu subo para as tuas costas?
– É simples, eu vou até aí, abaixo-me e tu sobes.
– Então vá… vamos embora.

E assim de repente apareceu um sapo que comeu a formiguinha. A abelhinha num acto de vingança tentou ferrar o sapo, mas acabou por ser comida também. E depois o sapo ficou com uma intoxicação alimentar porque a formiga já estava doente porque se não estivesse doente não tinha tropeçado na pedra porque as formigas são muito trabalhadoras e muito responsáveis e não tropeçam nas pedras porque estão sempre muito ocupadas à procura de comida. E depois também há formigas que não procuram comida. São as formigas guerreiras que ajudam a defender o formigueiro dos outros animais pequeninos e quando não há outros animais pequeninos as formigas guerreiras andam à bulha umas com as outras porque assim estão sempre em bom estado e depois já não se cansam quando tiverem que defender o formigueiro de outros animais pequeninos. Mas esta formiga só procurava comida.
A abelhinha ainda conseguiu gritar por ajuda e vieram logo as outras abelhas todas atrás do sapo que bem tentou fugir mas não conseguiu por causa da intoxicação alimentar e então o sapo ficou todo picado pelas outras abelhas. Depois apareceram as formigas guerreiras que queriam bater no sapo porque ele comeu a formiguinha e agora a formiguinha já não podia ir buscar comida para as outras formigas, mas quando lá chegaram já não conseguiram bater no sapo porque ele já estava muito fraco por causa da intoxicação e das picadelas de abelha e então começaram à bulha umas com as outras para continuarem a treinar e as abelhas sentaram-se nas flores a ver as formiguinhas guerreiras à bulha umas com as outras porque aquilo mais parecia os senhores que andam à bulha na televisão, aqueles senhores que são muito grandes e se vestem com roupas justinhas e batem uns nos outros e saltam das cordas uns para cima dos outros.
A minha mãe diz que eu não posso ver os senhores à bulha uns com os outros porque acha que é muita violência para uma criança de seis anos e então eu venho para o jardim ver as formigas à bulha umas com as outras porque isso já não dá na televisão e a minha mãe já não se importa.

Has this happened to you before?

While surfing the web, I found something that I actualy like and then, just as I enter that page, the first thing that comes across my eyes is a huge banner or facebook button “ordering” the visitor to press “like”. My instant reaction was to close the page.

Then I started thinking, WTF, why is the freakin’ “like ” button so important that people and companies place it above all other things in their webpages?

Títulos em Portugal

Aqui está algo que nunca percebi… Em 2008 saiu para aí um filmezeco de vampiros e lobisomens. Chama-se “Twilight”, que traduzido para Português significa “Crepúsculo”. Claro que em Portugal o filme ficou com o título Português (o que acho muito bem). Desde aí até agora já sairam mais três filmes da saga. O título da saga tem como origem o título do primeiro filme, ou seja, “The Twilight Saga”. Ora, se por cá o primeiro filme se chama “Crepúsculo”, porque razão não atribuíram esse título à saga, ficando assim “A Saga Crepúsculo”. Quem é que disse que ter os títulos metade em Português e outra em Inglês é bom? Vai na volta é porque tá na moda…

Perguntas

“Vamos ser HUMANOS.” (quando se referem a termos compaixão, etc.) De onde vem esta expressão? Porque razão somos nós tão arrogantes ao ponto de pensar que enquanto espécie somos o supra-sumo da caganita do Universo? Será que o ser humano não se apercebe que é é apenas um monte de células tal como qualquer outro animal neste planeta?

Pérolas da escrita

Andei a ver alguns mails antigos e achei algumas pérolas que guardei ao longo dos anos. Acho que há aqui escritores de futuro:

  • Log Note # 10 — We go to close damages it – Ahn?!?!?
  • Log Note # 9 — The customer informs that the circuit at this moment this to funcionar as she must be. – WTF?!
  • Após o tecnico ter feito um reset a central ficou com tusa OK. – Ai a marota da central.. he he.
  • o alarmes neste momento anda intermitente, neste momento limpo, mas tem andado a cair. – Afinal como é que está?! Decidam-se.
  • cliente ligou a informar que a avaria ainda se matem – Isso é perigoso, dá direito a prisão.
  • Segundo o xxxxxx, a cbalagem é do cliente pelo que a ficha rita deverá contactar a firma que dá suporte à cablagem – Então já temos fichas que falam ao telefone?
  • Log Note # 7 — We go call the custemor in the morning – Power off – Pronto, desliguei-me!
  • Liguei para o cliente e diz que só durante a tarde é que pode confirmar amanha de manha – Hummm… alguém está confuso.

Publicidade. Para que te quero?

Se bem me lembro do que aprendi na escola, a publicidade tem como objectivo anunciar um produto de forma a que as pessoas saibam que ele existe e que está à venda.
Com o aumento da oferta, tornou-se necessário inventar/criar novos anúncios cada vez mais apelativos. Normalmente cria-se uma história breve que demonstra todas ou uma grande parte das qualidades daquele produto e justifica porque razão devemos comprá-lo.
De acordo com os entendidos em marketing, um anúncio bem sucedido é aquele que quando vemos apenas os primeiros segundos, já sabemos qual é o produto.
Há anúncios de todos os tipos, mas há um que anda agora na TV que para mim é das coisas mais asquerosas que existe. O anúncio até pode ser um sucesso, porque eu de facto lembro-me qual é a marca, mas depois de ver o dito, perdi qualquer vontade que eu pudesse ter de comprar o produto em causa. Vai na volta eu só me lembro da marca porque não há mais nenhuma conhecida desta forma.
Trata-se de um anúncio de desodorizante ambiental (creio que não é preciso referir a marca). E vai assim:

Uma mulher vai pela primeira vez visitar a casa nova que a sua amiga acabou de comprar.

– Olá, bem vinda, entra!
– Olá…
– Esta é a sala!
– Hummm, e que bem que vai ficar aqui o novo ******.

E sentam-se as duas no sofá a sentir o belo cheiro do novo *****.

OK.
Primeira coisa errada nesta coisa: Quem é o amigo ou amiga que vai visitar um amigo ou amiga pela primeira vez na sua casa nova e impõe (sim, nem sequer é recomendação, é mesmo “pões e calas”) a colocação de um desodorizante de ambiente? Quer este amigo ou amiga dizer que a casa nova cheira mal? Pelo aspecto da casa, a dona é solteira e sem filhos, portanto não há crianças (incluindo o marido) para cagar e desarrumar a casa (Bem eu sou marido e não cago a casa, mas enfim), portanto não me parece que a casa precise de ambientadores para já.

Comprei casa há dois ou três anos, por acaso ainda não fiz nenhum jantar ou algo parecido, mas se eu CONVIDASSE um amigo para ir ver a minha casa nova e a primeira coisa que ele fizesse fosse pôr uma merda daquelas numa tomada, seria também a penúltima; porque a última seria levar com o ambientador naquele sítio “where the sun don’t shine” e adeus, bye-bye.

Segunda coisa errada: O anúncio em si, dá a entender que quem não tiver uma coisa daquelas em casa não é elegante nem chique (mas isto até acontecia se estivessem a vender um b.m. – balde de merda mesmo).

Fico intrigado com as pessoas que realmente compram coisas só porque elas aparecem na publicidade. Sim, há realmente pessoas que compram produtos só porque eles aparecem na televisão.

Resumindo, eu devo ser a pessoa mais “deselegante” do país. Não compro produtos só porque é elegante  ou porque os outros os compram. Já vi anúncios muito bons, na maior parte dos casos até me lembro da marca, mas vou logo a correr às compras.