20th August 2019 Noodles

É de facto interessante como dois pontos de vista podem ser tão diferentes. Duas pessoas podem ter percepções tão díspares que quase se pode perguntar se estão a ver ou experienciar a mesma coisa/situação. … Tenho montes de coisas na cabeça para escrever, no entanto não estou com grande vontade de escrever… Quer dizer, tenho vontade mas não me apetece … Será que isto faz sentido?

19th August 2019 Noodles

Estou a tremer de frio… Não é bem assim. O que se passa é que estou a tremer por dentro. Aquilo que sinto é o mesmo tremelique que se sente quando temos frio. O mais curioso no meio disto tudo é que está calor lá fora. É certo que aqui dentro está ligado o ar condicionado, mas o frio que sinto não é por causa disso. É curiosa a forma como o meu corpo reage às emoções. Quando há algo que me apanha de surpresa e me deixa um pouco em estado de choque, fico com frio. Não fui bem…

18th August 2019 Noodles

“És demasiado bom e às vezes as pessoas aproveitam-se disso” Esta é uma frase que ouço de pessoas que me são muito próximas. Há razão e verdade nestas palavras. Quando meto na cabeça dar de mim tenho alguma dificuldade em parar. Sou por natureza um “cuidador”, sinto-me bem a cuidar, a ajudar e faço-o sempre sem esperar nada em troca. Não é algo que faça por qualquer um. I mean.. ajudo o próximo sempre que posso, no entanto, o cuidar de que falo só o dou a pessoas que de facto se aproximam muito de mim. Sou selectivo nas pessoas…

17th August 2019 Noodles

É curioso observar como a minha escrita tem evoluído ao longo dos anos. Aliás, é mais ainda, observar a minha própria evolução, o meu crescimento, a maneira como a minha consciência e auto-conhecimento aumentaram. No entanto, também não poderia deixar de notar que há sentimentos que não mudam, ou talvez até mudem. É simplesmente uma questão de serem coisas que me são já tão familiares que me parece não haver mudança. Se olhar bem fundo para dentro, observando tudo ao pormenor, o sentimento de solidão continua cá, só que não é o mesmo que sentia ontem ou há vinte anos…

6th August 2019 Noodles

A vida é feita de altos e baixos, há momentos em que nos sentimos melhor, outros que nos sentimos pior. Tento ter cuidado com as palavras que uso… “programação neurolinguística and shit”… No entanto no parágrafo anterior é mesmo um caso de “melhor e pior”. Não há cá “menos bom”, etc. Anyway… Sempre que vou falar com uma pessoa amiga os dias antes e depois são uma alegria. Os dias antes porque são preenchidos com a antecipação do encontro e diálogo que irá acontecer. Os dias depois porque fico com aquele “high”, resultado do diálogo que houve. E depois volta…

3rd August 2019 Noodles

Tenho estado tipo avestruz com a cabeça enterrada na areia. Se eu não conseguir ver as coisas que me magoam elas também não me conseguem ver. Já retirei a cabeça da areia, tudo apareceu à minha volta. Não que nada estivesse lá antes, eu simplesmente tinha escolhido não ver. Agora, vejo tudo o que me rodeia, aceito o universo tal e qual como ele é. Talvez isto possa ser visto como uma espécie de “conformismo”, no entanto não é mesmo. Durante anos tentei controlar tudo e quando não conseguia era um drama. Agora nada disso me afecta. Aceito que não…

30th July 2019 Noodles

É de facto impressionante a facilidade do que poderia fazer. Passariam semanas até alguém dar conta do sucedido.

29th July 2019 Noodles

http://www.monogatari.info/sossego-2/ Encontro-me assim… em sossego. Talvez seja um sossego triste, um pouco sorumbático. Acho que tenho vontade de chorar, e no entanto, os meus olhos estão secos. Não sei bem o que se passa comigo, ou se calhar até sei… só me custa aceitar e admitir as marés profundas do meu sentir. Ou talvez, aquilo que é realmente difícil é verbalizar o que sinto. Talvez porque ao verbalizá-lo estou a aceitá-lo, a admitir e a torná-lo real. Há ainda uma réstea de esperança em mim que isto que eu sinto não é nada mais do que um produto fantasioso da…

27th July 2019 Noodles

Agora que a zanga já se foi embora fica apenas a realização pura e dura de que dói. Sinto a dor, vivo-a e no entanto faço os possíveis para não entrar na auto-comiseração. Não é fácil. A tentação de começar a perguntar “why me?” é forte. Felizmente estou a suceder em manter-me apenas onde estou. Sinto-me triste, com dores em sítios tão óbvios e ao mesmo tempo tão desconhecidos. Estou a redescobrir-me e a reaprender a reconhecer… não… Estou a reaprender a aceitar o que sinto. Sou uma pessoa que acredita que os contos de fadas são possíveis. Eu gosto…